segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Visual Modesto da Semana - n.203


Feminilidade Inestimável - II

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DLXXXVII (587)  (13 de outubro de 2018)




Para crescer, precisa de um caule forte o tomateiro, 
Para amarem suas mulheres, homens, voltem-se para Deus primeiro!

A feminilidade da mulher está hoje sob ataque feroz, e não é difícil descobrir a causa. Satanás quer o poder total sobre a humanidade para assegurar-se de que cada alma caia no inferno. Ora, o caminho que o Deus Todo-Poderoso traçou para os seres humanos irem para o Céu é por seu nascimento dentro de uma família humana normal, na qual o que hoje chamamos “pai biológico” e “mãe biológica” cuidam do fruto de seu amor mútuo: seus próprios filhos. O Dr. Henry Makow retoma a história dos “Comentários Eleison” da semana passada focando nos satanistas.

“Os judeus cabalistas e os maçons são satanistas. Controlam degradando e corrompendo. Como os cupins, eles comem as colunas de apoio da sociedade. A família é o glóbulo vermelho de uma sociedade sadia. Ela fornece-nos nossos papéis e identidade, bem como o apoio emocional e material necessário. Garante que os jovens nasçam, sejam amados e criados adequadamente, e que os idosos sejam cuidados. Nossa família é nosso elo na cadeia da eternidade. Então os satanistas sempre quiseram destruí-la. Eles foram atrás das mulheres, das que consideraram inconstantes, vaidosas e de mente débil. ‘Não há como influenciar os homens tão poderosamente como por meio das mulheres’, escreveu Adam Weishaupt. ‘Portanto, estas deveriam ser nosso estudo principal; deveríamos nos insinuar em sua boa opinião, dar-lhes indicações para emanciparem-se da tirania da opinião pública e erguerem-se por si mesmas; será um imenso alívio para suas mentes escravizadas se libertarem de qualquer laço de restrição, e isso as incendiará ainda mais, fazendo com que trabalhem para nós com zelo, sem saberem que o fazem; pois estarão apenas satisfazendo seu próprio desejo de admiração pessoal’.

“Então, os Satanistas convenceram as mulheres de que o matrimônio e a família eram ‘opressivos’. Os homens podem ter trabalhado duro em fábricas e morrido em guerra para prover e proteger as suas mulheres, mas de alguma forma as mulheres é que eram oprimidas. Os satanistas precisavam interferir no afeto e na atração natural que os machos e as fêmeas têm um pelo outro e por seus descendentes. Os satanistas existem para banir o amor. A essência de uma mulher é o amor, o poder de gerar amor, amando e sendo amada em troca. Esta é a fonte de seu poder. O amor de uma mulher por seu marido e filhos é a coisa mais preciosa do mundo. Para um homem, esse amor é seu maior tesouro. Ao deixar-se enganar, ao buscar o poder material em vez do espiritual, a mulher moderna perdeu essencialmente o poder de amar. Ela pode ter poder ou amor. Ela não pode ter a ambos. As mulheres precisam do amor de um homem como uma flor precisa de sol e água. Os homens nutrem as mulheres e as mulheres empoderam os homens, aquiescendo às suas exigências razoáveis. Essa é a dinâmica heterossexual...

“Mas isso é o que é condenado como a exploração da mulher (a “erotização da impotência”) por, por exemplo, uma Sheila Jeffreys, conhecida como erudita feminista lésbica e ativista política. Obviamente, ela não pode entender que o amor da mulher é o seu verdadeiro poder. Ela quer transformar todas as mulheres em lésbicas que, como ela, não conseguem entender que o estilo, a beleza e o encanto da mulher, em resumo, sua feminilidade, dependem de que evitem o poder material. Uma mulher que se entrega ao marido é amada, e amada por ele e por seus filhos. Uma mulher que busca poder como o faz o sexo masculino está condenada a uma vida de isolamento e amargura.

“Feministas ocidentais, vocês perderam seu presente mais precioso por nada. Vocês são vulgares, um verdadeiro fracasso. Vocês não têm personalidade, encanto, estilo, substância. Vocês não podem amar. Nem sequer são atraentes. E logo vocês perderão sua juventude. Não terão nada além de seu trabalho, seus cachorros e suas amigas igualmente desesperadas. Feministas ocidentais, vocês foram roubadas, traídas por sua sociedade, professores e líderes políticos e culturais; e consequentemente vocês se uniram às fileiras de seus traidores. Vocês traíram seus filhos não nascidos, sua cultura, sua família e a promessa do futuro. Mas o pior de tudo é que vocês traíram a si mesmas” (fim da citação de Makow).
                                                                                                                           
Kyrie eleison.

*Traduzido por Cristoph Klug.

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Visual lindo: blusa verde esmeralda e saia maxi estampada

natan


Este visual é da NATAN.

Gostei muito do tom da blusa e combinando com esta saia em rosa claro, ficou ótimo: simples, confortável, feminino, modesto e bonito!

Inspire-se!

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Visual Modesto da Semana - n.202


Feminilidade Inestimável - I

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DLXXXVI (586) - (6 de outubro de 2018)



Santa Ana, Santa Ana, arranje-me um marido (o mais rápido que puder),
MAS QUERO UM BOM, NÃO UM HOMEM QUALQUER!


É onde os soldados de um exército sitiante estão derrubando os muros, que os defensores precisam combater. É onde a salvação das almas encontra maiores dificuldades, que os servos de Deus devem lutar mais. É por isso que estes “Comentários” e as “Cartas do Reitor” que os antecederam voltam muitas vezes à perda da feminilidade das mulheres e da masculinidade dos homens. O projeto complementar de Deus do homem e da mulher, que remonta a Adão e Eva, é básico para a vida e a natureza humanas. E quando esse projeto é despedaçado pelo homem e supostamente jogado fora pelas manipulações sujas de "gênero" e assim por diante, como pode a graça sobrenatural de Deus penetrar nas naturezas humanas tão radicalmente arruinadas? E sem graça, onde eles vão parar?
Em teoria, as mulheres católicas não deveriam ter muita dificuldade em entender e aceitar como Deus as projetou. Na prática, a propaganda pró-feminista é tão implacável na educação abjeta e na mídia vil dos dias de hoje que mesmo os instintos naturais das mulheres católicas e o sentido dado por Deus de seu verdadeiro papel na vida são muitas vezes subjugados pelo impulso do orgulho em direção ao poder aparente. Aqui estão algumas palavras ásperas, mas sábias, sobre a mulher, de Irene Claremont de Castillejo, Knowing Woman: Feminine Psychology [Conhecendo a Mulher: Psicologia Feminina]:


“Qualquer garota que desenvolveu a feminilidade sem saber que o amor é seu valor supremo foi espiritualmente violentada. A espiritualidade feminina expressa uma atitude de vigilância, prontidão e espera espiritual para o encontro com o oposto, que é um pré-requisito para a totalidade interior da mulher. Sem isto ela se torna uma presa do masculino dentro de si mesma, um espírito furioso de atividade intelectual ou física, com o qual nenhum homem pode-se relacionar, e com o qual ela não pode de modo nenhum relacionar-se. Ela é uma mulher possuída".

E, então, de Henry Makow, Ph.D., Western Women Have Lost Their Power to Love [A Mulher Ocidental Perdeu o Seu Poder de Amar] (corrigido):


“As mulheres ocidentais foram enganadas, para que busquem o poder em vez do amor. Paradoxalmente, elas nunca foram tão impotentes. Querem ser amadas, mas não têm mais amor para oferecer em troca. No filme "Jogos de Guerra [War Games]", de 1983, o herói, Matthew Broderick, é um jovem gênio da informática que acidentalmente inicia uma contagem regressiva nuclear e corre para evitar uma catástrofe. Sua namorada, interpretada por Ally Sheedy, é vista em um papel complementar, basicamente ajudando-o, encorajando-o e admirando-o. Ele é o líder. Mas a presença dela informa, valida e eleva tudo o que ele faz. É como se suas ações fossem dedicadas a ela. É assim que a heterossexualidade funciona. A mulher reforça o homem, confiando seu poder ao marido. É assim que a mulher ama, isto é, "confiando", alistando-se como o primeiro oficial para o seu Capitão. Se este filme fosse refeito hoje, ela seria a Capitã, ele seria emasculado, e eles se separariam.

“De Chaucer a Freud, os homens perguntaram: o que as mulheres querem? É algo realmente muito simples. Elas querem ser amadas. Especificamente, querem o amor apaixonado de um marido por toda a vida. Mas o que faz um homem amar uma mulher dessa maneira? O sacrifício dela. Unindo-se a ele, aceitando sua liderança e servindo a ele e a seus filhos. Em outras palavras, o amor duradouro se ganha com as obras. Não é baseado em sex appeal (que diminui) ou em conversas espirituosas. É construído sobre laços de GRATIDÃO.

“Ao ensinar as mulheres a ser egoístas em vez de abnegadas, o feminismo privou-as de seu poderio, o amor. Tudo o que lhes resta é dar o ato do matrimônio sem matrimônio. Porque elas não se renderão a um marido amoroso, reduzem-se a entregarem-se a estranhos”. (Fim da citação de Makow.)

“Mas, Excelência, onde estão os Capitães? Onde estão os potenciais maridos amorosos que nos guiarão? Os homens hoje estão sendo arruinados, e isso não exclui os Católicos Tradicionais!”. Meninas, assim como vocês perderam a feminilidade sem perceber, também eles perderam a masculinidade pela cultura miserável de hoje. Vocês devem rezar, porque Deus pode facilmente encontrar um jovem para cada uma de vocês. Rezem para Santa Ana, como acima, mas, antes de tudo, prometam a ela que se ela encontrar-lhes um homem, vocês estarão dispostas a se submeterem a ele, e prontas para isto. Assim, ela estará mais inclinada a procurá-lo. Importunem-na, sejam insistentes. O céu não se importa com isso (Lc XVIII, 2-8).

Kyrie eleison.

*Traduzido por Leticia Fantin.