sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Se pode o homem usar saia



Antes que algum liberal venha sofismar contra o que eu disse (“Assim são os liberais: “Para não criar constrangimento para os transexuais”...) com respeito à liberação pelo Colégio Pedro II do uso de saia para meninos, digo o seguinte.

1) Considerada a coisa em si mesma, não há nenhum problema em o homem usar saia: usam-na os escoceses, usavam-na os exércitos gregos, os exércitos romanos, etc., usavam-na os judeus de antes e de depois de Cristo, etc.
2) Ademais, como diz o Código de Direito Canônico de 1917, após cerca de 40 anos certo uso geral pode passar a chamar-se propriamente costume, desde que não ultrapasse os limites do conveniente.
3) O que porém fez o Colégio Pedro II e que os liberais ecoam é revolucionário, em duplo sentido.
a) Antes de tudo, porque põe a liberdade acima daquilo para a qual ela existe: para que escolhamos o bem. O bem é anterior à liberdade.
b) Depois, porque se enquadra perfeitamente na revolução marcusiana, segundo a qual não há distinção radical entre os sexos, o que fere diretamente a lei natural eterna e a própria natureza.
3) Pois bem, qual a diferença essencial entre os petistas e os liberais? São igualmente revolucionários, ainda que de matizes diferentes.

Observação: Logo escreverei eu mesmo, em extensão de livro, sobre a anticristã, sofística e revolucionária Escola Austríaca.