segunda-feira, 29 de agosto de 2016

O sentido da vista - Modéstia: Baluarte que nos protege

Por Cônego Augusto Saudreau


De todos os sentidos, a vista é o mais rápido, o que escapa mais facilmente à censura da razão, exigindo, portanto, uma vigilância mais atenta. Deus nos deu o sentido da vista, primeiro, para contemplar-Lhe as obras e, segundo, para mim empregos necessários; não há função útil, nem dever importante, que possamos desempenhar sem ele. Quem é responsável por outros, deve usá-lo para velar sobre seus inferiores. É preciso, portanto, moderá-los e não destruí-los. 

De quantos olhares inúteis nos podemos privar; a quantos espetáculos curiosos podemos renunciar; quantos objetos fúteis podemos deixar de considerar! Ao lado destes, a vista encontra, não raras vezes, objetos perniciosos. Quem não sabe desviar o olhar de espetáculos frívolos, está muito exposto a não se privar de olhares indiscretos e ilícitos. Virtudes que pareciam inabaláveis, falharam, fracassaram por esse meio. Davi servira fielmente ao Senhor em ocasiões difíceis, dera provas de confiança, de coragem, de piedade, de zelo, e eis que um olhar que não soube reprimir excitou-lhe na alma paixões ardentes que lhe causaram danos pavorosos. 

Quão mais felizes, quão mais garantidos estão aqueles que, como o santo patriarca Job, fizeram um pacto com seus olhos e não lhes permitem satisfazer a todos os caprichos! A paz de que gozam transparece, reflete-se no exterior. É a modéstia. Não é virtude sem importância esta da qual Nosso Senhor nos deu tão cabal exemplo: “Suplico-vos pela modéstia do Cristo”, dizia São Paulo aos cristãos de Corinto (II Cor X, 1). 

Assim como muitos não dão a devida importância à paz interior, assim também outros não compreendem o valor dessa paz exterior, dessa virtude que modera e dirige os sentidos, principalmente o da vista, como a paz interior domina e dirige as potências da alma. Sem a paz, o espírito se entrega a mil divagações, e a vontade a toda sorte de desejos frívolos; a imaginação cria continuamente e persegue ilusões e fantasias. 

Sem a modéstia, os sentidos se abrem de todos os lados e pelas aberturas entram os inimigos da alma; quem não for modesto, nunca será senhor de si; os mínimos objetos o preocuparão e excitar-lhe-ão a concupiscência; os menores acontecimentos o dissiparão; as tentações lhe penetrarão na alma livremente; quererá tudo ver, saber, provar, exceto aquilo que é bom e salutar. 

Sem a guarda dos sentidos, os cuidados mais assíduos e carinhosos dispensados à alma serão inúteis: como um vaso fendido deixa escapar os mais preciosos líquidos, assim também essa alma toda difundida pelos sentidos perderá rapidamente as boas impressões recebidas. 

A modéstia é o baluarte que nos protege a débil virtude e a põe ao abrigo das incursões do inimigo; é a muralha que defende nossa riqueza; é também o adorno das almas fiéis, cujos encantos realçam, tornando-as mais belas e atraentes aos olhos do Esposo divino. 

O mundo, todavia, não aprecia as almas modestas; sabe que nada tem a esperar delas; sua atitude recolhida repele os espíritos mundanos, que instintivamente delas se afastam, deixando-as servir em paz ao divino Mestre. 

É utilíssimo, pois, adquirir essa modéstia cristã, e nunca será demasiado o ardor empregado em sua conquista. Custa mortificar os sentidos, custa conter o sentido da vista, sempre tão errante; mas, de fato, reprimir a liberdade do olhar é privar-se de uma satisfação pequena e passageira, para alcançar outra muito maior e eterna.


(Texto retirado do livro “O caminho que leva a Deus”, pelo Cônego Augusto Saudreau, edição de 1944) 
Fonte: Seleta de textos sobre a Modéstia, Edição Escravas de Maria, 19 de março de 2012, pg. 54