quinta-feira, 12 de março de 2015

Os Primeiros Dias de Vida do Bebê

Um debate muito interessante sobre os primeiros dias de vida do bebê. Gostei muito das colocações do pediatra José Martins Filho:

http://www.youtube.com/watch?v=0GcBcnpy87g

Outro vídeo dele, bem curtinho:

http://www.youtube.com/watch?v=90D56DzIz1Q

Eu defendo que o melhor é a mãe ficar em casa, não trabalhar fora, principalmente nos primeiros anos de vida da criança.

10 comentários:

  1. Você escreveu: o melhor é a mãe ficar em casa, não trabalhar fora, principalmente nos primeiros anos de vida da criança.
    Mas e a carreira, a profissão da mãe? A mulher não deve desenvolver um trabalho fora de casa que lhe seja gratificante? Isso me parece um tanto entristecedor para o desenvolvimento da mulher como uma profissional. Ela fica com a única realização da sua vida a de ter filhos? Que é importante cuidar do filho e lhe dar todo carinho é indiscutível. Mas, ficar em casa ... Isso é que acontecia antigamente. Hoje em dia há mulheres que são cientistas, médicas, ... que encontram grande alegria nas suas carreiras. Elas devem abdicar ao trabalho que lhes dá satisfação e que contribui para a sociedade para ficar só com o filho? Há que se ponderar sobre isso. Você não acha?

    ResponderExcluir
  2. Querida, eu creio sinceramente que devemos fazer o melhor para os nossos filhos, e como católica eu sigo a orientação da Igreja que diz que o melhor é que a mulher fique em casa no mínimo durante os primeiros anos da criança. É o melhor. A Igreja não proíbe (até porque há casos necessários), mas recomenda fortemente que a mulher não trabalhe em outra coisa senão no lar. Se a mulher consegue ter outras atividades sem negligenciar a família, a casa, ótimo, mas isso vai depender de cada caso. Imagine a realização das mães de Bach, Mozart, Beethoven ao verem grandes artistas seus filhos se tornaram, ou das mães de Copérnico, de São Francisco de Assis, de Santa Clara... imagine a realização da Virgem Maria ao ser Mãe de Jesus Cristo, Nosso Senhor? É um papel humilde o da mãe e ao mesmo tempo grandioso, pois ela foi feita para gerar, nutrir, educar, criar seres humanos, e esta é uma da maiores e mais belas tarefas que existe no mundo. Hoje esta tarefa é negligenciada e diminuída em prol de uma suposta realização profissional, e é triste porque nessa historia alguém sai perdendo, e geralmente é a criança, a família.

    O mais importante é fazer a vontade de Deus, pois esta vida passa rápido e é feita de lutas, não somente de realizações. Não há realização maior para a mulher que tem vocação para o matrimônio do que ser esposa e mãe. Não que ela não possa fazer mais nada além disso, mas que isso é o melhor. O feminismo encheu a cabeça das mulheres de ilusões, eu não acredito nestas ilusões, não acredito que a mulher possa ter tudo, ela sempre tem que escolher, pois senão alguma coisa vai ficar pela metade, não vai ser realizada por completo, é assim que vejo.

    Como disse Petula Clark "ser mãe e casada é um trabalho de período integral.”

    Convido você a ler outros artigos para compreender o nosso ponto de vista, veja aqui:
    https://rosamulher.wordpress.com/2012/10/08/o-papa-a-mae-e-o-mundo/
    https://rosamulher.wordpress.com/2013/02/11/o-apostolado-da-mulher-catolica/
    https://rosamulher.wordpress.com/2010/03/19/os-problemas-da-mulher-moderna/

    Veja também clicando nas tags "mulher", "feminismo""família".

    Eu sei que com a mentalidade atual pode ser difícil compreender nosso pensamento, mas acredito que é importante buscar compreender o outro e quem sabe aprender algo mais.

    Que Deus te abençoe! E ilumine a todos nós.

    ResponderExcluir
  3. Nenhum trabalho realiza tanto como cumprir a missão de educar os próprios filhos e não delegar essa tarefa para terceiros, mesmo que seja a avó. A mãe é a mãe e ninguém a substitui. É difícil, sem dúvida, em especial neste mundo cheio de ideias de que a realização tem de ser a profissional. Implica muitas renúncias, nomeadamente consumistas o deixar de ter um trabalho remunerado. No meu caso, tirei licença sem vencimento (se Deus quiser definitiva) e sei o como isso incomoda as pessoas, uma vez que me licenciei, passei em concurso público, fiz curso de especialização, tive cargo alto, enfim, mas não tinha o mais importante. Acho que há mais mães que teriam essa escolha se ponderassem, mas que simplesmente preferem seguir o caminho mais comum, o que hoje quase todas as mulheres trabalham fora de casa e pronto. Mas não, há escolha e só me arrependo de não ter aberto os olhos há mais tempo. É verdade que não se pode ter tudo, é verdade embora possa doer a quem não queira acreditar. NÃO SE PODE TER TUDO. É algo que não ensinaram às atuais mães, têm que ser as próprias a descobrir. Só com muita oração para seguir em frente!

    ResponderExcluir
  4. Tânia Maria, espero que sua licença seja definitiva! Também estou de licença, no caso maternidade, e espero não mais voltar. Rezarei por você.

    Obrigada pelo comentário.

    A Paz!

    ResponderExcluir
  5. As pessoas se iludem muito com emprego. Ser empregado é uma droga..kkkkk !
    O bom é você buscar sua independência financeira e ter liberdade pra fazer o que quiser, ter autonomia para decidir como administrar sua rotina.
    No Brasil criou-se uma mentalidade para formar empregados e devido às dificuldades de se empreender, são poucos os que buscam algo diferente. Em contrapartida nos EUA isso é largamente difundido: Seja dono do seu próprio negócio !! E o trabalho home-office também..!
    Acho que as mães podem buscar alguma atividade extra em casa, conheço várias mulheres empreendedoras e donas de casa.
    A verdade é que penso que a maioria das mulheres, principalmente as que tem filhos gostariam de ficar em casa, só que por questões de orçamento ou até por desconhecerem algum dom, preferem ficar a mercê de empregadores.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns por essa nova etapa. Que Deus a acompanhe sempre.

    ResponderExcluir
  7. Eu percebi pela minha vivência e li em artigos que a maioria das mulheres prefere ficar em casa, mas muitas terminam trabalhando fora por vários motivos, inclusive estes que você mencionou.

    Sim, é possível trabalhar dentro de casa, tudo depende de como a mulher consegue administrar as coisas. O melhor é esperar as crianças crescerem um pouco, usar o tempo em que elas estão na escola e noutras atividades para trabalhar, ler, estudar, fazer um curso, ter um hobby. O negócio é cuidar bem da família em primeiro lugar, e para isso é preciso dedicação, não dá para ter uma profissão no mercado, uma carreira bem sucedida e ser mãe e esposa dedicada, estar realmente presente em casa, atenta ao desenvolvimento dos filhos. Não dá para ter tudo. E ser empregada é dose! rsrsrs...ter que aguentar patrão, chefes e mais chefes...complicado! rsrs

    ResponderExcluir
  8. Concordo com vc, Andréa. Ter tudo ao mesmo tempo é impensável e chega uma certa altura que vc tem que priorizar certas áreas da vida. Aliás o meu próprio gestor que fala, saúde em primeiro lugar, família e em terceiro, trabalho..! =D

    ResponderExcluir
  9. Pois é, a gente tem que se cuidar para cuidar da família e poder fazer a nossa parte na obra de Deus. Tudo ao mesmo tempo é loucura ;)

    ResponderExcluir

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.