segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Ombros de fora


Duas situações que vivenciei onde apareceu a questão da roupa que deixa o ombro exposto.

A primeira situação foi num lugar no qual trabalhei, antes de saber algo sobre a modéstia. Eu estava usando uma ribana, aquelas blusas de alças mais ou menos grossas de tecido canelado. Fazia muito calor e resolvi ir assim para o trabalho. Eu não era a única a me vestir assim, com blusas de alças, no local de trabalho. Infelizmente isso vem ficando cada vez mais comum. Então, um colega comentou comigo “ah, eu gosto do verão, chega essa época e a gente começa a ver os ombrinhos de fora”. Eu fiquei muito sem jeito na hora. Não me lembro de ter falado nada.

Até então eu não sabia que os ombros significavam alguma coisa para os homens. Não achava que fosse provocante aparecer assim em público. Perguntei ao meu marido se os ombros chamavam a atenção masculina, e ele confirmou. Ele disse que é sensual, que mostra já algum desnudamento e, portanto atrai a atenção dos homens.

Depois comentei com uma colega que eu iria usar um cardigã por cima dos ombros quando estivesse no trabalho (pois vinha de casa com a ribana), para não deixá-los de fora, pois tinha descoberto que os homens reparam nos ombros femininos. Então ela comentou comigo que faria a mesma coisa, cobriria os ombros no escritório, pois também se sentia incomodada em ficar com os ombros de fora no local de trabalho.

A segunda situação foi num ônibus, quando eu ouvi a conversa de três moças. Uma delas dizia que no local de trabalho não fica bem usar blusa com os ombros de fora, e as outras pelo jeito não concordavam, pois estavam com os ombros expostos (pelo que compreendi todas estavam saindo do expediente de trabalho e voltando para casa), uma usava uma regata e a outra usava um top com alça de um ombro só. A que não concordava com os ombros expostos usava uma blusa de mangas até metade do braço, e disse algo como “ombro de fora é sensual, é sexy, no local de trabalho não dá”.

É interessante notar que as pessoas sabem sim que o ombro de fora é algo provocante, é sensual, é “sexy”. Eu acho que eu era a única pessoa na face da terra que não tinha percebido isso antes! Sim, porque até alguns anos atrás eu usava alças, e não pensava que somente isso pudesse ser algo provocativo. Mas é. E as pessoas sabem disso. E vejam que mesmo eu descobrindo que chamava a atenção dos homens, eu não deixei de usar, apenas não ficava mais assim no trabalho. Demorou mais um pouco até que eu tivesse conhecimento sobre a modéstia, para aí então começar essa mudança que transformou toda a minha vida.

Vemos em muitas imagens como a mulher mostra o ombro para provocar, virando o pescoço para trás para tirar uma foto deixando um dos ombros à mostra. Isso também acontece quando são usadas aquelas blusas que caem de um lado com o propósito de expor os ombros. A exposição dessa parte do corpo assim, deixando uma parte da roupa cair, era coisa típica de prostitutas, mas agora vemos moças de família fazendo a mesma coisa. Como elas aprenderam isso? Imitando as celebridades que por sua vez imitam as prostitutas.

Sendo assim meninas, se queremos ter visuais modestos, não podemos nos apresentar em público com ombros de fora. Alças nunca, tomara que caia então, nem pensar!



6 comentários:

  1. O que eu acho curioso notar é que pouquíssimas mulheres se indignam quando se fala em regras para se vestir no trabalho. Pelo menos nas empresas mais sérias,se proibissem o uso de ombros de fora e de roupas curtas, alguma mulher iria protestar? se demitir? se revoltar?! A maioria já não usa esse tipo de roupa, demonstrando que elas tem sim certas percepções do que é ou não escandaloso (calças escapam um pouco dessa regra, apesar de em grande parte das vezes, o erro das calças usadas por grandes profissionais é ser masculina e não sensual).

    Agora, quando é para ir na igreja todo esse bom senso desaparece. Como pode isso? Quando um namorado ou marido não gosta de uma roupa, há revolta. Como, mesmo para muitos cristãos, a igreja virou lugar menos sério que uma empresa? E o chefe tem mais direito de opinar do que um marido?!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a questão dos ombros, mas admito que tenho muita dificuldade de considerar falta de modéstia os vestidos que não mostram os ombros mas mostram os braços.
    Considerando ser uma roupa ajustada (que não vá revelar nada quando levantarmos os braços ou nos movimentarmos) e que seja alta (ou seja, sem decote), não consigo ver como fere a modéstia, pois não é masculina, não é escandalosa e os braços não são partes sensuais. Tem algum material ou texto que ajude a entender essa questão?

    Exemplo: http://docevidafashion.com.br/wp-content/uploads/2013/11/pagina13.jpg

    ResponderExcluir
  3. Cy, eu compreendo você, pois nos dias de hoje é tanta indecência que a gente tende a relevar algumas coisas. Mas no caso da manga, eu realmente creio que seja indispensável. É mais um cuidado, mais um resguardo da aparência, digamos assim. É sempre mais recatado usar mangas. E no caso da manga que vai até o cotovelo é um comprimento que cria uma margem de segurança, como já ouvi uma vez, e que preserva mais o corpo, a intimidade da pessoa. Não que a manga curta seja errada ou pecaminosa, mas a manga que cobre mais é ainda melhor. Não é nem que os braços sejam sensuais em si, mas é que é mesmo mais recatado cobri-los, mesmo que seja um pedaço, principalmente preservando a intimidade (ou seja, mangas que não sejam muito soltas, nem totalmente transparentes revelando muito das axilas e colo). O mais nobre é trazer a atenção para o rosto, por isso o quanto mais se puder resguardar as outras partes do corpo, melhor. Cada um no seu estado de vida, andando com recato dá glória a Deus e eleva o espírito.

    ResponderExcluir
  4. É verdade! rsrsrs...no meu trabalho eu vejo cada coisa... cada salto altíssimo que somente as Drag Queens usavam até pouco tempo atrás e que hoje você vê mães desfilando por aí...acompanhados é claro de calças coladíssimas... sem falar nos tomara-que-caia. É dose! Onde eu trabalho não há regras explícitas então cada um anda como quer. Os homens não abusam, mas as mulheres...

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigada pela resposta, Andrea.
    Estou ainda modificando meu guarda-roupa, e todo foco inicial foi com a questão do comprimento das saias e vestidos, para ser abaixo do joelho, que me parecia o mais importante para iniciar. As blusas apenas evitei que fossem decotadas ou mostrassem os ombros.
    Graças à Deus, embora ainda precise de mais saias, consegui já um número que da para me virar e passei dessa primeira etapa, estava então refletindo sobre a manga.
    Admito que não me sinto ainda pronta para usar as mangas em todas as situações. Estou indo para uma viagem para a praia, por exemplo, e me foquei em blusas fresquinhas mas que não mostrem o ombro, e saias compridas.
    Sim, a dificuldade é, em grande parte, adquirir mais blusas com manga. Mas sei comigo mesma que mais do que isso, é uma dificuldade espiritual, perante uma família anti-cristã (que ainda me sustenta, porque não tenho independência ainda). Acabo por pesar as coisas, as saias mais compridas e não usar roupas de banho me parece que já cumprem o meu estoque do que eu consigo justificar, as mangas no alto verão causariam muita comoção, que eu não teria coragem de enfrentar.

    Embora eu não me sinta indecente e nem imodesta, sei que não estou levando os homens a pecar e nem mesmo deixando de dar um testemunho e exemplo, pela sua resposta eu percebo a importância das mangas. Acho que mais do que guardar o meu recato em si, tem toda uma questão de saúde social envolvida. Em certas épocas seria totalmente normal todas as mulheres usarem blusas no cotovelo, saias nos pés e nada de decote (e nem de roupa justa), hoje uma roupa com tudo isso já seria olhado com estranheza. Será que temos como, olhando para como a moda está hoje, dizer que isso era um exagero?
    Será que não foi o fato de cobrir os braços, o que pode parecer a primeira vista irrelevante para o indivíduo (já que não são partes sensuais) algo que contribuiu para uma cultura geral de mais recato e para evitar a banalização da moda e da modéstia?
    Me parece que a resposta a isso tende fortemente a dizer que, no mínimo, temos que admitir que as mangas, pelo menos as mangas curtas, são um gesto de prudência.

    Enfim, escrevi um testamento já =P. Não sei quando vou conseguir mudar isso, e como vou percorrer esse caminho da modéstia, mas sei que não volto atrás, e oro para que a Santíssima virgem se compadeça de um coração e uma cabeça educados a vida toda em cima de valores tão distantes dos cristãos, e interceda por mim, para que Deus me guie e ajude a resolver isso, para sua glória!!

    E visitar seu blog, pelos textos e pelas fotos, é algo que me ajuda a no mínimo refletir sobre alguns padrões que não teriam me chamado atenção. Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  6. De nada! Pode escrever seus testamentos aqui, tudo bem! rsrs

    Espero sinceramente que você continue neste caminho, que você busque cada vez mais agradar a Deus e a Virgem Santíssima, que cresça em espiritualidade. Reze sempre, peça a Deus luzes para compreender as coisas, força para seguir as Leis Dele, sabedoria para lidar com o mundo.

    Pense mesmo sobre as questões da modéstia, faz bem. O mundo é difícil mesmo, a gente vive lutando, mas no final vai ser compensador, tenho Fé. Sem luta não tem graça ;)

    Obrigada pela leitura do blog, fico feliz que te ajude de alguma forma.

    Fique com Deus!

    ResponderExcluir

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.