segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

O manifesto de uma mãe pela modéstia

Por Barbara Curtis
Traduzido por Andrea Patricia




Barbara Curtis

 

O verão está aí, o que significa fazer compras com as filhas, o que significa andar na ponta dos pés em torno de minas de roupas para evitar explosões na loja de departamentos.


"Sim, parece bonito em você, mas..."


Muito decotado, umbigo aparecendo, coxa demais. Não apropriado. Muito imodesto. Envia a mensagem errada.


"Querida, eu sei que suas amigas usam biquínis. Mas as meninas Curtis não. "


Era uma vez, não era tão difícil. Minha filha mais velha, Samantha - mãe agora de seis - terá em breve 42 anos de idade. Minha filha mais nova, Maddy, tem 18. O que isto significa - além de cansaço crônico - é que eu realmente criei duas gerações de crianças.


E deixe-me dizer-lhe, é muito mais difícil agora do que era nos anos 80. Lembro-me do sapo proverbial: Quando jogado em uma panela de água fervente, ele vai saltar para fora - mas quando a sua água fria é aquecida gradualmente ele pode ser fervido até a morte.


Nos últimos 25 anos, juntamente com o enbrutecimento de nossa cultura, houve um colapso completo na modéstia feminina natural. Sim, eu disse natural, porque, como Wendy Shalit, uma jovem estudante universitária judia e autora do best-seller A Return to Modesty, eu acredito que é parte da natureza da mulher ser modesta.


Mas hoje vivemos com as consequências da Revolução Sexual, que pregava através da mídia, filmes e música que a sexualidade é uma coisa, e a moralidade outra. E que meninas devem ser tão agressivas e desinibidas como os rapazes.


Que distância radical de como Deus nos projetou. Eu me lembro quando Samantha era uma adolescente. Ela e suas amigas usavam as camisetas de seus pais sobre os seus trajes de banho relativamente modestos*. Elas ficavam desconfortáveis ​​expondo tanta carne.


As meninas de hoje, bombardeadas por Victorias Secret, Abercrombie & Fitch, entre outros, se adaptaram à água quente, quando deveriam ter saltado para fora da panela há muito tempo. A menos que elas tenham sido ensinadas a considerar seriamente a mensagem que sua roupa pode estar enviando, elas podem ser sem noção sobre a sua própria cumplicidade na sexualização da cultura adolescente de hoje.


Minhas meninas lutam com o desejo de serem atualizadas e o desejo de serem agradáveis a Deus. Mas em alguns aspectos elas são afortunadas. O sexo é discutido abertamente em nossa família. Elas ouviram quatro irmãos mais velhos explicando como os rapazes são afetados pela estimulação visual. Elas foram ensinadas que elas têm a responsabilidade de serem modestas.


Os pais têm uma responsabilidade também. A Escritura nos diz que devemos estar no mundo, e não ser do mundo. Embora não seja agradável passar pela barulheira ao pedir que seja feita uma mudança na roupa da filha antes de sair para a escola ou a igreja, na verdade isso envia uma mensagem de que você se importa.


O que você pensa quando vê um homem em um uniforme da polícia? Uma mulher de jaleco? Um homem de terno? Não deve ser nenhuma surpresa que a maneira como o vestuário de uma menina envia uma mensagem a qual ela pode não ter tido a intenção de enviar.


Mantenha suas meninas seguras e responsáveis. Isso não é apenas dizer não. Trata-se de dizer sim para atrair apenas o melhor em termos de atenção masculina.


Eu sei que na cultura de hoje - onde eu vi mães vestidas para volta às aulas em roupas as quais suas filhas seriam enviadas de volta para casa - que clama pela modéstia pode pressionar alguns pais.


Mas eu estou falando com aqueles que nunca pensaram na necessidade de proteger as suas filhas e seus filhos da escravidão do que o mundo lhes diz que está bem.


Nosso Pai Celestial quer muito mais para nós do que isso.


____________
Curtis, que bloga no mommylife.net, é uma mãe de 12 filhos e autora de Bluemont.


Original aqui.
_______________________________________________
Notas da tradutora:


*Lembro que no tempo em que eu frequentava praias, uma de minhas amigas usava uma camiseta grande por cima do traje de banho, pois ficava envergonhada ao se expor tanto.


Frequentar praias hoje é um problema, já que elas são mistas e a moral católica exige que haja lugares distintos para o banho das mulheres e o dos homens. Cada sexo deve frequentar um lugar diferente ou o mesmo lugar, mas em horários diferentes. Hoje em dia é quase impossível, pois as praias são frequentadas por ambos os sexos em uma grande indecência e promiscuidade.

33 comentários:

  1. Salve Maria!

    Conheci a Tradicao pelo site Montfort; por 3 vezes recebi em minha casa o Prof Fedeli. Faz uns 3 anos que começaram a ocorrer mudanças na minha forma de vestir e me comportar; mas confesso que me imaginar com 12 filhos me aterroriza!

    Claro que hoje entendo o sentido de uma familia numerosa; contudo não posso fingir que eu encararia isto numa boa. Não fui criada nem para ser mae, quanto mais mae de 12 filhos!!! Céus!!!

    Pode parecer loucura, mas só de me imaginar com tantos filhos me vejo num hospício, ou morta!!!

    A forma que somos ou fomos criadas conta muito, muito complicado cortar raízes tão profundas da criação! Eu nunca me interessei por crianças, para ser ainda mais franca ate a gravidez do meu filho (qdo eu já tinha 33 anos) eu praticamente não havia pego nenhum neném. Absurdo, mas era minha realidade!

    Fui educada para estudar, "ser alguém" e neste ser alguém a maternidade passava longe! De fato formei, sou cirurgia dentista, especialista em ortodontia, cirurgias menores e endodontia. Ainda sonho em especializar-me em implantes.

    Tenho apenas um filho e por mais que eu abrace com amor a Tradicao, a Fe e minha familia novamente confesso, abrace a modéstia , fico aliviada por ter 42 anos e Deus não ter exigido de mim algo que nao estaria capacitada para ser.

    Obs: no iPhone algumas palavras aparecem acentuadas outras não, por isto a escrita sai assim. Outra coisa, eu sigo as recomendações da Igreja, não evito filhos. Quis relatar tudo isto pq pode ser que haja outras mulheres que como eu não nasceram na Tradicao.

    Ave Cor Mariae.

    ResponderExcluir
  2. Oi Giovana!

    Obrigada pelo seu relato.

    É mesmo, nós não fomos criadas para a maternidade. Sempre se fala em estudar, fazer faculdade, mas mal se fala sobre aprender a cuidar das coisas em casa, em cuidar de crianças, em ser mãe. É triste. Temos hoje que reaprender a feminilidade, a maternidade, porque o mundo esqueceu disso. É bastante complicado. Algumas coisas só mesmo a graça de Deus para mudar! Temos que educar nossos filhos de forma diferente de como fomos educadas, para que eles busquem fazer a vontade de Deus acima de tudo. Nós fomos educadas para a vida do mundo, num tempo já contaminado pelo feminismo. É preciso fazer uma desprogramação, digamos, para nos purificarmos dessa loucura moderna.

    Que Nosso Senhor Jesus Cristo nos fortaleça!

    A Paz!

    ResponderExcluir
  3. Olá Andrea. Essa é uma reflexão muito importante para as mães, que devem estar preparadas para a difícil missão de orientar os filhos para que vivam e sobrevivam dignamente em um mundo tão distante dos princípios cristãos.
    Aproveitando o que disse a Giovana, por estar me aprofundando no assunto "Tradição Católica" apenas recentemente, tenho tido muitas dúvidas acerca do assunto "quantidade de filhos", visto que sou casada e já mãe de um menino. Sou ainda bastante jovem e não contaria, como no caso dela, com a questão biológica para evitar uma família realmente numerosa. Como já comentei aqui anteriormente, não tenho situação financeira estável que me permitiria ter muitos filhos e isso me preocupa um pouco. Não é a questão superficial de uma mãe que quer oferecer luxos aos filhos e sim, de uma que deseja fornecer o mínimo necessário a uma vida digna. Tenho orado e pedido o auxílio de Deus para que o melhor possa ser feito de acordo com Sua vontade para minha família, mas ainda tenho que fortalecer minha fé para aceitar a vontade de Deus como uma bênção e não um ônus, como me foi ensinado durante toda a vida.
    Nesse caso, além dessa luta interna, temos também enfrentar a luta externa, não só a que existe mundo a fora (que vê como aberrações famílias com mais de três filhos), como principalmente a que se encontra em nossas próprias casas, quando lutamos sós. Tenho procurado textos que me orientem sobre esse assunto, mas sem muito sucesso. Espero continuar contando com blogs como este para que possa seguir evoluindo em minha fé e como mãe de família, levar isso ao meu lar.

    Paz!

    ResponderExcluir
  4. Nana, o que a Igreja ensina é que devemos ter os filhos que Deus quer que tenhamos e para isso não podemos impedir a gravidez. O que se pode fazer - com conselho de um bom sacerdote - é dar algum espaço para o nascimento de mais um filho, devido a dificuldades várias, mas esse espaçamento nunca pode ser feito de forma artificial, apenas através dos métodos naturais, basicamente: abstinência.

    Mas eu não sou a pessoa indicada para falar sobre isso. Por isso o melhor é buscar se aconselhar com um bom sacerdote, um sacerdote tradicional, pois os modernistas são um perigo.

    Espero que Deus te ajude e ilumine, e que você consiga se aconselhar com um bom sacerdote!

    A Paz!

    ResponderExcluir
  5. Nana, gostaria de te indicar alguns artigos que tenho no site que possam te ajudar:

    http://modaemodestia.com.br/index.php?option=com_content&view=section&id=6&Itemid=78

    e este aqui

    http://issuu.com/modaemodestia/docs/culturadamortevsculturadavida

    Mesmo que não seja específicos talvez te ajudem...

    paz

    Julie Maria

    ResponderExcluir
  6. Sim realmente, os sacerdotes modernistas não vêem a questão dessa forma. Para se ter idéia, em meu "curso de noivos", foi falado sobre a necessidade do controle de natalidade nos dias atuais bem como da anticoncepção. Daí ficarmos perdidos quando nos deparamos com a verdade dos fatos. Também espero poder encontrar um sacerdote tradicional que possa me aconselhar apropriadamente.
    Obrigada pela atenção.

    A Paz!

    ResponderExcluir
  7. De nada, Nana! Fique à vontade para comentar. Gosto muito de conversar com vocês ;)

    Realmente hoje em dia vemos coisas terríveis acontecendo por aí. Só mesmo a graça de Deus para nos manter firmes!

    A Paz!

    ResponderExcluir
  8. Eu odeio sol,e consequentemente praia...
    Fico horrorizada quando passam as praias do Brasil e aparecem aquelas mulheres e famosas com aqueles biquínis minúsculos desfilando como se fosse a coisa mais natural do universo.Se eu fosse homem eu jamais deixaria minha namorada/esposa usar um biquíni daqueles,e muita intimidade sendo esfregada na cara de qualquer um.
    Pior e que depois as garotas que usam essas roupas curtas demais e quando um garoto/homem se jogam em cima delas,elas querem impor respeito.Odeio aquela fala "tá na moda essa roupa",tipo eu compro roupa porque gostei dela,independente se esta na moda ou não.
    E o mais engraçado e que os homens separam muito bem aquelas mulheres que são para namorar/casar e as que são só para diversão.

    ResponderExcluir
  9. Nanda um vídeo que eu acho muito bom sobre o tema da vida é este

    http://padrepauloricardo.org/audio/23-a-resposta-catolica-camisinha-e-metodo-billings/

    Nos mostra a mentalidade vigente que nós estamos inseridos...

    Pax

    Julie

    ResponderExcluir
  10. É verdade, Górgora! E o pior é que as pessoas não querem enxergar isso! Biquini é roupa íntima com tecido diferente, só isso! Deixa quase tudo de fora, sobrando pouco para a imaginação! É terrível que tenhamos chegado a esse ponto!

    Admiro sua atitude ;)

    ResponderExcluir
  11. E pensar que existem muitas mães que estimulam as filhas pequenas a adotarem comportamento adulto, até mesmo vulgar. Praticamente hoje inexiste infância. Se a preocupação de uma menina de 8 anos é pintar as unhas de vermelho, imagine quando tiver 15 anos ?
    Sinceramente eu observo muitas mulheres que não deveriam nem pensar na maternidade, por que não tem formação e estrutura emocional para educar uma criança.
    Parir é muito fácil, mas educar com dignidade que é o grande desafio.

    ResponderExcluir
  12. É terrível, Agatha, pois vivemos num mundo dominado por ideias impuras, todas muito longe do plano de Deus. É nisso que dá viver longe daquilo que Ele ordena para a vida das pessoas. Só ouço reclamações, por toda parte, mas pouca vontade de mudar de vida. Reclamam de gravidez adolescente e acham que o remédio é usar contraceptivos! Como se tudo fosse questão material/emocional. Mas e a alma, quem se lembra dela?

    Deus que é O autor de toda pureza pode ficar satisfeito com comportamentos como os que vemos hoje? Impossível. As pessoas tem que se lembrar que um dia irão comparecer diante do tribunal do Juiz Supremo. Como será? Tenho medo.

    Tristes tempos!

    ResponderExcluir
  13. Julie Maria, obrigada pelas indicações!
    Um abraço a todas que acompanham esse blog tão bonito e informativo. Que possamos ter forças para lutar contra a maré que arrasta a todos para longe de Deus.

    Paz!

    ResponderExcluir
  14. Andréa, eu acho que a nossa geração está cada vez menos preocupada com essas questões.
    Essa época do Carnaval mesmo é um verdadeiro lixo..!! Estava comentando com algumas pessoas hoje que antigamente os clubes eram frequentados por famílias. As pessoas brincavam e não tinha tanta vulgaridade. Hoje em dia é um festival de gente bêbada...e outras coisas mais. Pra mim não faz diferença, por que eu nunca gostei desta comemoração. Eu sinceramente não consigo ver beleza e alegria num evento que só incentiva a promiscuidade. Além de tudo, ainda ver que a imagem da brasileira no exterior está associada a morena com trajes minúsculos (a pseudo fantasia).

    ResponderExcluir
  15. Amém!

    Fique à vontade, Nana! Esse espaço aqui é nosso ;)

    ResponderExcluir
  16. E olhe, Agatha, que os santos falaram muito contra o Carnaval, só que na época deles, não era o horror que é hoje...e se naquela época eles falaram, imagine o que diriam hoje esses amigos de Deus?

    Vivemos tempos terríveis, temos muito que rezar e fazer penitência, porque a coisa está feia mesmo!

    Essa imagem terrível que é vendida no exterior, essa fantasia horrorosa, isso é pura perdição. Quantas não são as moças que caem nessas "histórias da Carochinha" achando que se valorizam dessa maneira! Quanta ilusão!

    Que Deus tenha misericórdia de nós!

    ResponderExcluir
  17. Oi Nana,

    Pois é, eu sei como é difícil encontrar bons textos sobre este tema... tenho vários em inglês que recebi por e-mail quando estava buscando material para minha tese (que é sobre o problema moral da contracepção). Se quiser te envio por e-mail, basta me escrever: contato@modaemodestia.com.br

    Também queria te indicar estes dois links onde o Daniel nos oferece tesouros escondidos:

    www.teologiadocorpo.com.br
    http://vidaecastidade.blogspot.com/

    Um abraço e que a Andrea continue perseverando neste lindo blog!

    Julie Maria

    ResponderExcluir
  18. Se no contexto de vida deles, as comemorações já eram reprováveis, imagine agora, com toda essa baixaria...!

    ResponderExcluir
  19. Verdade! E o terror dos terrores é que hoje há católicos trazendo essa baixaria para dentro da Igreja!

    Misericórdia!

    Veja aqui um artigo com citações dos santos sobre o Carnaval:
    http://downloadcatolico.blogspot.com/2012/02/carnaval-vomito-e-esterco-de-satanas.html

    ResponderExcluir
  20. " o vestuário de uma menina envia uma mensagem a qual ela pode não ter tido a intenção de enviar."


    O pior de tudo é que o que eu noto é que elas QUEREM enviar ESSA mensagem..A maioria das meninas qr enviar mensagens MUITO erradas.

    Por isso o discurso dos pais, que é sempre no sentido de "essa não é a mensagem que vc quer enviar", e de explicar o que vai acontecer, e o que as pessoas, e o que os homens vão pensar NÃO FUNCIONA.
    Digo isso como adolescente, que tem muitas amigas dessa idade...

    =(

    Difícil mesmo é criar uma filha para NÃO quer enviar essa mensagem... A coisa é cada vez mais difícil e mais grave.

    ResponderExcluir
  21. Pois é Cynthia, e o pior é que hoje há mesmo meninas que querem enviar as mensagens erradas...depois reclamam que são mal tratadas ou desvalorizadas! fazer o quê? Elas querem se guiar por suas cabecinhas cheias de ilusão. É triste!

    ResponderExcluir
  22. Sabe que esse negócio de "ser sexy o tempo todo" contamina inclusive mulheres adultas. Isso gera uma escravidão. Você precisa estar a todo tempo linda, sorridente e atraente. E o pior é que essa beleza artificial é desnecessária do ponto de vista masculino. Claro que os homens se sentem atraídos por mulheres elegantes, cheirosas, mas essa beleza plastificada, a "la Barbie" tira toda a naturalidade.
    Eu acho admirável quando você vê uma mulher mais natural, sem muita maquiagem, sem muitos artifícios.Já li que alguns homens sentem falta disso. Por que eu preciso estar o tempo todo de cabelo chapado, maquiada o tempo todo, com um salto alto desconfortável ?
    Tem mulheres que na ânsia de obter o cabelo liso (padrão japonês) estão fazendo escovas progressivas e correndo um sério risco de ter câncer no futuro, por conta das substâncias contidas nos produtos.
    A pior coisa é não nos aceitarmos como somos.E no Brasil, fala sério, uma país todo miscigenado, cujo padrão de beleza atual é o europeu ??? Pele clara, olhos azuis e cabelos lisos. Como se ter pele clara não fosse trabalhoso, por conta do sol excessivo = cara lambuzada de filtro solar...rsss !!

    ResponderExcluir
  23. rsrsrsrs...e olhe, Agatha, que eu não uso mais filtro solar, pois li e ouvi coisas sérias a respeito desse produto! mas enfim, você está certíssima em seu comentário! É uma ditadura da beleza o que vivemos hoje! São exigências demais, algumas totalmente descabidas, sem sentido. E realmente, os homens em geral não dão importância a muita coisa que quase tira o sono da mulherada de hoje! Como eu me surpreendi quando percebi que meu esposo não ligava para certas coisinhas que eu achava que ele iria notar e se queixar ou não gostar! Gente, que bobagem! Os homens preferem a mulher mais "ao natural", mas não hippie, ou seja, limpa e cheirosinha sim, mas sem exageros, sem plásticas e botox deformantes, sem maquiagem excessiva, sem saltos de drag-queen! Como é bom que seja assim! e como é libertador poder estar bem sem tantos artifícios. Cuidar da pele, dos cabelos, tudo bem, mas hoje em dia isso é quase sessão de tortura, física e psicológica. Aff! Assim não dá! rsrs

    ResponderExcluir
  24. Eu creio que os homens preferem ter uma mulher bem-humorada e sensível ao seu lado, do que uma boneca plastificada, magérrima e mal-humorada. Fala sério, mulher que vive de dieta extremamente restritiva fica muito chata. A dieta da lua, da sopa, do coco, da chuva..rsss..!

    Mesmo que eu tivesse muito dinheiro, pensaria duas vezes antes de fazer um procedimento estético deste. As pessoas fazem cirurgias como se fosse a coisa mais natural deste mundo e intitulam isso como "Mudança de Vida". Até parece que colocar silicone ou aplicar Botox resolverá todos os problemas de auto-estima/relacionamentos das mulheres. Com certeza ajudar ao próximo, ler sobre as coisas de Deus traz mais beleza para nossas vidas do que qualquer procedimento estético, pois a alegria da alma é que traz a juventude.

    ResponderExcluir
  25. rsrsrs...também acho, Agatha! Essa mulherada que vive de dieta fica mal humorada mesmo, daí não há homem que suporte! rsrs

    É triste, mas há pessoas que se fixam muito no exterior e acham realmente que mudando o que está fora conseguirão suprir seu vazio de alma. É isso o que a mídia hoje empurra goela abaixo, vendendo imagens falsas, iludindo as pessoas. A gente tem que ter bom senso e não cair nessas armadilhas. beleza é bom, cuidado é bom, mas a vida não é só isso e estamos aqui só de passagem ;)

    Bem lembrado: precisamos de Deus, pois a alma necessita de alimento verdadeiro e esse somente Ele pode nos dar.

    ResponderExcluir
  26. Julie, tenho lido sérias críticas a Teologia do Corpo, principalmente como apresentada pelo Christopher West. Vejam aqui (vou traduzir esses textos depois):

    http://www.remnantnewspaper.com/Archives/archive-2008-theology_of_the_body.htm

    http://www.traditioninaction.org/HotTopics/f024ht_Hildebrand_Engel.htm

    http://www.veilofinnocence.org/critiques/368.html

    A Paz!

    ResponderExcluir
  27. Oi Andrea!

    É uma pena mas não posso ler os artigos citados agora pois estou numa corrida contra o tempo rs... mas eu sei que este segundo link é de um site que não está em comunhão com a Santa Igreja (critica Papas, etc e não foi este que você me mandou fotos do Papa JPII falsificadas?)... então temos que ler com cuidado o que está ali apesar de ter alguns textos bons.

    O C. West tem admiradores e críticos pelo jeito que ele escreve e dá as palestras, como todo autor, mas o conteúdo que ele escreve tem o "imprimatur" então podemos ficar tranquilas pois a Igreja não oferece isso para qualquer livro e sim para aquele que tem seu conteúdo sem erro doutrinal. No novo livro dele o Cardia também elogial:

    Christoph Cardinal Schönborn, Cardinal Archbishop Of Vienna; General Editor, Catechism of the Catholic Church; and Grand Chancellor, International Theological Institute for Studies on Marriage and the Family

    link: http://www.attheheartofthegospel.com/praise/

    De qualquer forma você deveria ler os textos dele mesmo diretamente para depois ler as críticas com maior liberdade pois as críticas que eu já li se referem mais ao ensino do Papa JPII mesmo e não dos autores que escrevem sobre este ensino que, mesmo não querendo os falsos tradicionalistas, faz parte do Magistério pois assim decidiu o Papa ao dedicar 5 anos para nos oferecer este tesouro. Como católicos o acatamos com docilidade. Não está em nós decidir se queremos ou não este ensino (me refiro logicamente ao ensino papal).

    Porque os falsos tradicionalistas não gostam da TDC? Porque querem saber mais que o Papa. Infelizmente. Mas você busca a verdade com reta intenção! Graças a Deus!

    Neste link tem o resumo sobre a avalanche de críticas que ele recebeu depois de sair num programa da TV mundana: http://www.headlinebistro.com/en/news/janetsmithresponse.html

    E este trecho abaixo eu traduzi da Introdução feita pelo Prof. Waldstein sobre o gravíssimo problema da tradução que enfrentamos em português e em inglês. do ensino papal. Alias eu jamais recomendo a leitura da TDC do Papa em português!!!

    1. Assim explica o prof. Waldstein:

    Na versão italiana do L'Osservatore Romano (OR) Jesus diz “todo aquele que olha uma mulher com desejo libinoso (luxúria) já cometeu adultério com ela em seu coração”. A tradução CEI (Conferência Episcopal Italiana)é bem mais fiel ao greco original ...“quem olha uma mulher querendo desejá-la...”. A diferença é importante. O desejo pode ser bom ou ruim. A luxúria é um vício. Na versão italiana do texto da Teologia do Corpo a palavra luxúria (lussuria) aparece 4 vezes. E ainda se pode acrescentar 6 vezes a palavra “libidinoso” e 11 vezes a palavra “libido” somando um total de 21 defensíveis instâncias de “luxuria”. Na tradução do OR (ao inglês), ao contrário, “luxuria” aparece 343 vezes. A principal razão desta multiplicação de “luxúria” está no uso da tradução da RVS (Revised Standard Version) de Mateus 5.28 (olhou de forma libidinosa). Quando JPII reflete sobre as palavras de Jesus em detalhes e repetidamente cita a palavra “desejo” (desidare ou desiderio) de acordo com a tradução da CEI (olhou com desejo), o OR (tradução inglesa) traduz o termo “libidinoso” para preservar a conexão com (lustfully) que existe na RVS. E multiplica ainda mais este termo pela tradução freqüente desta palavra pelo termo “concupiscência”. Mas “concupiscência” é um termo mais amplo que “luxuria”. Concupiscência sexual é apenas uma de suas espécies. Esta multiplicação de “luxuria” introduz um tom de pan-sexualismo que é estranho a JPII.

    Desculpe não poder dar continuidade a este diálogo apesar de amar este tipo de partilha!

    Que Nossa Senhora Sede da Sabedoria nos dê docilidade, sempre!

    Abraços

    Julie Maria

    ResponderExcluir
  28. Julie, respondendo rapidamente, depois respondo mais: o site TIA possui muita coisa boa, embora eu não concorde com tudo o que está ali. e aquelas fotos são reais, não são montagens. Eu pesquisei sobre isso e infelizmente são reais.

    Temos que acatar o que é da Tradição, eu sei disso, mas nem tudo o que um Papa fala é tradicional, a história comprova. Devemos sempre lembrar de Santo Atanasio que foi perseguido por um Papa. É bom lembrar disso para que não caiamos na papolatria achando que qualquer espirro do papa é infalível. Por incrível que pareça isso acontece hoje em dia. As pessoas esquecem que há uma regra na Igreja: a Fé está em primeiro lugar. Se se ensina algo diferente da Fé que sempre se teve dentro da Igreja, não se deve aceitar (quem quiser saber mais sobre isso leia o Commonitorio de São Vicente de Lerins). Sabendo disso fica fácil aceitar ou rejeitar certos ensinos, mesmo que tenham recebido imprimatur, pois sabemos que há bispos que são modernistas, isso desde o tempo do saudoso Papa Pio X que os condenou em sua Pascendi. Creio que estamos nos tempos que Nossa Senhora de La Salette previu, então todo cuidado é pouco.

    Christopher West ensinou coisas contrárias à Igreja, eu mesma vi isso, em alguns de seus vídeos e textos está bem claro. Basta checar com os próprios olhos.

    Aliás acabei de traduzir um artigo desses, e vai sair em breve.

    A Paz!

    ResponderExcluir
  29. Há várias coisas erradas na abordadem do West. Deixo aqui um pequeno trecho de um texto da Dra. Alice Von Hildebrand (tradução minha):

    Eu não posso descrever o que Dietrich [1] pensava sobre pornografia: a própria palavra desencadeava uma expressão de horror em seu rosto nobre. A mesma coisa vale para a sodomia. Ele tinha um tal sentimento pela dignidade das pessoas humanas que qualquer postura que peca contra essa dignidade era repugnante para ele. É neste contexto, que devemos julgar a sugestão chocante de Popcak [2] (p. 248) que diz "Como Christopher West observou em seu livro, Good News About Sex and Marriage, não há nada tecnicamente proibindo um casal de se envolver" em sodomia (desde que o marido culmine o ato sexual normal dentro de sua esposa) e isso, enquanto ele desencoraja a prática de sodomia conjugal, "no entanto, seguindo a máxima de Santo Agostinho e na ausência de uma maior clarificação da Igreja, os casais são livres para exercer juízo prudencial" a este respeito.

    Um autor católico citando um "dictum de Agostinho" (presumivelmente o muito mal interpretado "Ame, e faça o que quiser") como justificativa para a sodomia teria partido o coração de meu marido. Além disso, o fato de que um ato não é formalmente condenado não nos autoriza a acreditar que é certo ou bom.


    [1] Falecido esposo da Dra. Alice.
    [2] Popcak teve um de seus livros prefaciado, entusiasticamente, por Christopher West. A Dra. Alice fala sobre isso no texto.

    O referido texto da Dra. Alice sobre West:

    http://www.veilofinnocence.org/critiques/368.html

    ResponderExcluir
  30. Olá, Julie, Salve Maria.

    Já que o C. West e essa a TOB foram citados, não posso deixar de comentar. A “Teologia do Corpo” não vem de Deus. Ela causa confusão, e mais que isso, escândalo. Já ouvi blasfêmias horríveis de pessoas que, se embasando nisso, pregam para casais, inclusive em curso de noivos.

    O que eu posso lhe dizer sobre isso é que não é dever de leigos tratar ou falar sobre esse assunto. Isto é algo de foro muito íntimo, que somente um SÁBIO e PRUDENTE sacerdote pode orientar. Também não é algo para ser tratado em público, pelo teor e gravidade das coisas que o envolve. Isto necessita de MODÉSTIA e DISCRIÇÃO. Muito me admira que você, que quer ensinar sobre modéstia, também dissemina a TOB. A Teologia do Corpo não combina com modéstia, é como água e óleo, não se misturam, ou melhor, como fogo e água, em que um consome o outro; a água apaga o fogo, o fogo faz com que a água se evapore, ou seja, ou sobra um ou sobra outro, nunca os dois juntos.

    Quem realmente quer um matrimônio santo e viver uma vida pura deve ficar bem longe dessa tal de “Teologia do Corpo”, especialmente os solteiros. “A ocasião faz o ladrão”, esse ditado é bem sábio e muito conhecido.

    Quanto ao Cardeal Schönborn, pelos muitos fatos de conhecimento público a respeito dele, não me parece que ele seja uma boa referência de ortodoxia.

    Sobre as críticas acerca de alguns ensinamentos do Papa João Paulo II, é bom lembrar que nem tudo o que um Papa diz é infalível. O Papa só é infalível quando: 1) ensina sobre Fé e Moral; 2) para toda a Igreja; 3) usando o poder concedido por Nosso senhor Jesus Cristo a São Pedro e a seus sucessores; 4) definindo que uma tese é certa e que o contrário delas é condenado. Caso falte uma dessas condições, não há pronunciamento infalível. Obviamente, isso não significa que não se deve levar em conta o que o Papa diz quando ele não se pronuncia infalivelmente. Diz o Concílio Vaticano I: “o Espírito Santo não foi prometido aos sucessores de S. Pedro para que estes, sob a revelação do mesmo, pregassem uma nova doutrina, mas para que, com a sua assistência, conservassem santamente e expusessem fielmente o depósito da fé, ou seja, a revelação herdada dos Apóstolos”.

    Quanto às críticas que o C. West recebe, elas provêm de pessoas que são respeitadas no meio tradicional e que também estão em plena comunhão com o Papa, como por exemplo, a Dra. Alice Von Hildebrand e os Franciscanos da Imaculada. Inclusive, você pode ler alguns artigos deles bem interessantes sobre a TDC no seguinte link: http://maryvictrix.wordpress.com/2009/08/06/compendium-of-tob-posts/

    Você sabe por que muitos dos católicos atuais, afoitos por novidades, gostam tanto do TDC? Porque se acham mais sábios que os dois mil anos de ensinamentos da Igreja.

    Espero que Deus possa iluminar sua mente e que você busque a verdade com sinceridade de coração. Quem busca a verdade, a encontra.

    Fica com Deus.
    Em Cristo,
    Melissa

    ResponderExcluir
  31. Oi Andrea,

    Infelizmente não li os últimos artigos traduzidos sobre a crítica do West mas espero ler algum dia! Mas já estive pensando sobre alguns pontos da sua pregação e lembrando de algumas coisas que escutei pessoalmente quando estive lá que realmente expõe muito em vez de ajudar. Acredito na reta intenção do West e rezo para que ele possa ser dócil e mudar o que for necessário para agradar sempre a Deus em suas pregações. Que o beato Papa JPII nos ilumine!

    Abraços

    JM

    ResponderExcluir
  32. Oi Julie.

    Não duvido que ele tenha boa vontade. Mas há no mínimo dois problemas básicos: a formação dele é ruim, e esse tipo de assunto não é para ser tratado por leigos. Isso não está de acordo com a Tradição da Igreja. Esse tipo de assunto deve ser tratado por sacerdotes. Ele palestra sobre temas muito delicados, coisas que somente os sacerdotes deveriam tratar diretamente com cada fiel ou cada casal casado.

    A Paz!

    ResponderExcluir
  33. Oi Andrea!

    Realmente são temas delicados.

    Que Nosso Senhor envie santos sacerdotes para cuidar de nossas almas!

    Pax

    JM

    ResponderExcluir

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.