segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Modéstia da alma e intrusão

Por Sursumcorda


Traduzido por Andrea Patricia



Modéstia: decoro no vestir, fala ou conduta (Merriam-Webster)


É uma palavra fora de moda, incomum em nossa cultura hiper-sexualizada, que força os limites, cultura do vale-tudo. Ela ainda tem conotações negativas, como quando é associada com a opressão das mulheres nos países islâmicos, ou com certos círculos cristãos em que as mulheres, mesmo as meninas brincando, podem usar apenas vestidos longos.


Mas é uma boa palavra, e um bom conceito. Nós não estamos destinados a compartilhar tudo o que somos, com todo mundo. Outra definição do dicionário Merriam-Webster: ficar livre da arrogância ou vaidade, dá uma dica de um de seus benefícios: a modéstia concentra a nossa atenção para longe de nós mesmos.


Talvez por causa dos extremos, discussões e práticas de modéstia quase sempre se concentram em questões de vestimenta e comportamento: a modéstia física. Para nossa grande perda, temos ignorado o que eu chamarei a modéstia da alma. O que é blogar, senão descobrir a nossa alma a qualquer um que tenha uma conexão à Internet? O que é um Reality-Show, senão um striptease no qual a esperança de ganho financeiro seduz alguns a permitir que suas emoções, fraquezas e falhas de caráter sejam expostas aos olhos de muitos? Como pode ser considerada a ordem dada pelo repórter a uma mãe de luto para dizer ao mundo como ela se sente sobre o assassinato de seu filho senão como nada mais do que estupro verbal?


A menos que você pense que isso não é um problema se se fica de fora dos olhos do público, o quanto você sabe sobre o que acontece nas escolas de seus filhos, nas aulas da escola dominical, creches e outras atividades? Como voluntária numa escola, bem como mãe, eu vim a perceber que nossas crianças são freqüentemente submetidas a intrusão emocional que, se fosse física, colocaria um professor na rua num piscar de olhos. Tomamos grande cuidado para ensinar nossas crianças sobre as partes íntimas de seus corpos, e como reconhecer e denunciar os "toques desconfortáveis", mas não lhes damos as ferramentas para detectar e desviar de perguntas incômodas ou exercícios de manipulação.


O que me intriga mais é que eu acho tão pouco respeito pela modéstia da alma entre aqueles que premiam a modéstia física quanto na comunidade em geral. É particularmente prevalente em igrejas, onde comunidade, companheirismo e união são muitas vezes forçadas, ao invés de ser permitido crescer organicamente no trabalho e na vida em comum. Eu tinha uma amiga de uma igreja que frequentei - uma querida, abnegada senhora - que não só compartilhava os detalhes mais íntimos de sua própria vida, mas pressionava os outros a revelar-se de forma semelhante, o tempo todo pensando que ela estava "apenas sendo simpática." E era bastante desconfortável falar com ela, mas era francamente assustador vê-la aplicar a mesma abordagem às crianças. Mais do que isso, ela via como seu dever ser intrusiva desta forma, e quando a dor veio, os outros não foram da mesma forma "amigáveis" com ela. E ela não era a única. Deve ser difícil para as igrejas discernir como ser curioso o suficiente para aparecer amigável para as pessoas, e ao mesmo tempo não afastá-las.


Eu estive em mais de uma reunião em igrejas, onde a dinâmica da multidão e a pressão dos colegas induziram as pessoas a fazer revelações que eu tenho certeza que lamentaram na manhã seguinte, se não imediatamente. Quer dizer, o sadista sonhou com a idéia de perguntar: "Qual foi o seu momento mais embaraçoso?", para quebrar o gelo. Até hoje eu tenho vergonha de algumas das coisas que os outros confessaram. Há uma razão para cabines de confessionário serem pequenas.


Embora possam diferir sobre os elementos, a maioria das pessoas vai concordar que quando se trata de modéstia física, relacionamento e circunstância devem guiar nosso comportamento. A camisola é apropriada para vestir para o meu marido, mas não na frente do meu vizinho. Membros da família podem ver-nos na nossa roupa interior, mas não é assim que nos vestimos para ir às compras de supermercado. Os médicos têm privilégios com nossos corpos que quase ninguém mais tem.


É hora de tomamos mais cuidado com as nossas almas.


Original aqui.

3 comentários:

  1. Andréa, gostei muito do texto. De fato, temos que nos preservar em todos os sentidos, principalmente nossa vida particular. Hoje em dia, com a falta de privacidade, a nossa vida pública e privada acabam se tornando uma só. Isso é claramente perceptível na vida das pessoas famosas, que muitas vezes não conseguem preservar sua intimidade.
    Outro ponto que destaco é a rapidez com que as pessoas passam a considerar um até então desconhecido como um amigo (relacionamento fast-food). Uma amizade para ser verdadeira e consistente leva algum tempo (Como dizia minha avó paterna: para conhecer alguém é necessário comer 1 kg de sal). E sair confessando suas angústias, nos maiores detalhes é muito perigoso. Ainda mais em tempos de Internet, que as pessoas acabam utilizando as redes sociais, blogs para cultivar novos relacionamentos e podem comprometer sua imagem. Afinal, o mundo é feito de pessoas de má-fé, também, infelizmente.
    Algumas pessoas são vítimas de situações comprometedoras devido a sua falta de cuidado com imagens, futilidades diversas.Atualmente é nossa própria segurança que está em jogo.

    ResponderExcluir
  2. É interessante mesmo como os dias de hoje são dias onde a privacidade parece ter sumido. É tudo muito aberto e ao mesmo tempo tudo muito volátil. Hoje se diz X e amanhã se diz Y, não há consistência. São tempos muito confusos, com muita informação sim, mas com pouco conhecimento proveitoso. Creio que seja um prato cheio para personalidades infantis proliferarem ou para que as pessoas não cresçam e passem a achar que certos bate-papos e trocas de figurinhas pelas redes sociais valem o mesmo que uma amizade ancorada no mundo real. E quando digo real não quero dizer que pessoas não possam ter amizade mesmo à distância, afinal de contas isso sempre aconteceu, mas sim que muitas pensam ser amizade o que é apenas um jogo de egos. Difícil, né? mas esse mundo é assim mesmo. Só a graça do Pai ! para nos dar forças

    ResponderExcluir
  3. Truly no matter if someone doesn’t know after that its up to other visitors that they will assist,
    so here it occurs.

    ResponderExcluir

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.