quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A mulher que está de moda

O texto abaixo foi extraído de um blog muito bom (com textos ótimos!), chamado Excerptos ou Fragmentos. As imagens são de lá, mas as legendas são minhas. Boa leitura!



A mulher que está de moda


Por Juan Rey S.J.





Mulher seguindo as modas do mundo



A mulher que está de moda, a que se cotiza nos mercados do mundo é completamente diferente (da mulher forte bíblica).


Esta mulher da moda não sabe nem pode fazer feliz o seu marido; por isso a maioria dos matrimônios modernos estão corrompidos internamente e por isso os pecados de divórcio são inúmeros.


Nessa mulher não descansa o coração do marido; não pode confiar-lhe a administração da casa, porque depressa arruinará o lar. Todo o ordenado lhe parece pouco para vestidos, pinturas e divertimentos; por isso o marido tem de dar o dinheiro por conta e ela queixa-se porque não lhe dá mais e porque não trabalha mais, para que ela possa gastar mais, divertir-se mais e vestir melhor.


E como é gastadora nos seus caprichos, tem o coração endurecido para a miséria dos pobres.


Não é a mulher forte que se prepara desde a madrugada para os trabalhos da casa; é a mulher preguiçosa que toma o pequeno almoço na cama, que dorme até tarde, não porque tenha trabalhado nos arranjos da casa, mas porque passou a noite no bar, no cinema, na cavaqueira ou nalguma ceia americana.


Os seus braços não estão feitos para o trabalho, são feitos para os exibir nus numa exposição de belezas ou de obscenidades, como são muitas salas de diversão.


Não se prepara de manhã para pegar nos utensílios de trabalho; enche-se de pulseiras e de anéis, chama a manicure e depois de aguentar um trabalho meticuloso, exibe essas mãos pelos lugares de reunião...


As suas palavras não estão impregnadas de bom senso, porque isso é precisamente o que lhe falta.


Tem um critério anticristão;  por isso defende sem vergonha as mães que não querem ter filhos e as que sabem divertir-se. Para ela nada é pecado. A sua conduta vergonhosa é a vida ideal...


Assanha-se particularmente contra as mulheres honestas e honradas, conhece os defeitos de todo o povoado e ignora os próprios que dão que falar a uma legião de más linguas como ela.


Não se preocupa com a conduta nem dos filhos nem das filhas; e estas imitam a frivolidade e as loucuras da mãe...


Ideal belo: ser a rainha do lar; porém não o serás, se vais pelo caminho das jovens modernas.


Nem serás rainha, nem terás lar. Serás um ser desprezível aos olhos de Deus e aos olhos dos homens sensatos.


Jovem, imita a mulher forte que descreve o Espírito Santo; e se queres realizar essa imagem, olha para a Virgem Maria no lar de Nazaré. Essa é a rainha do lar. Imita-a se queres que nesse lar ideal que fantasias, teu marido e teus filhos te entronizem e te ponham a coroa de rainha.



Mulher Modesta

_________________________________


Do livro: Retratos de Nossa Senhora. Juan Rey S.J.. Tradução M. V. Figueiredo, S.J. Livraria Apostolado da Imprensa, 1957.

Extraído do blog Excerptos ou Fragmentos.

12 comentários:

  1. Um texto bem curto e claro. Que coisa, não? Constatar que o mundo chegou no ápice do desprezo pelo mistério feminino e pela nobre missão da mulher é tão lamentável...! "Corpo perfeito e sucesso profissional" é a linha de guia da mulher moderna... Que decadência!

    ResponderExcluir
  2. É verdade, Melissa! Estamos vivendo uma era de decadência. As pessoas abandonaram os bons costumes, os valores verdadeiros, deixaram de crer em Deus e deu nisso!

    ResponderExcluir
  3. Não dá pra generalizar. Em alguns trechos, ele faz um retrato da típica "madame", a mulher que não trabalha, só gasta dinheiro com futilidades. Existem mulheres que trabalham pra ajudar nas despesas e existem aquelas que trabalham pra manter o status, carro importado e as grifes. E existem mulheres que são tranquilas quanto a isso....Conheço muitas que não trabalham, são mães de família, se cuidam, estudam e apoiam os respectivos cônjuges.

    ResponderExcluir
  4. É verdade, Agatha, existem mesmo mulheres assim. Mas creio que o texto é uma crítica para puxar as orelhas das mulheres que se deixam levar pelas coisas do mundo, em vez de se preocuparem mais com as coisas de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que muitas mulheres na atual circunstância de jornada dupla até desejariam ser mãe/esposa em tempo integral. Mas quantos homens conseguem bancar uma casa dignamente hoje em dia ?
    Não estou me referindo à luxos, mas em morar dignamente, ter um plano de saúde para a família, alimentação e vestuário, enfim, o básico mesmo. Só o aluguel ou prestação da casa consome até 12% do orçamento e pra piorar, a própria alimentação fica a cada dia mais cara. Quantas pessoas que você conhece que conseguem ter uma poupança ou ao menos estão com as contas em dia ? Os brasileiros estão ficando endividados, claro que por conta de consumismo. Nossa carga tributária é altíssima e o retorno em prestações sociais por parte do governo é insuficiente para controlar os problemas sociais.

    ResponderExcluir
  6. Agatha, você colocou questões que realmente causam problemas graves hoje em dia. Os salários estão baixos, as pessoas pagam caro para morar, comer, enfim, viver. Ah, e até para morrer :/
    Ah, e a carga tributária...um terror!

    Com todas as dificuldades, nós devemos buscar cumprir nosso dever de estado, no caso da mulher, cuidar do lar.
    Eu sei que existem famílias cristãs muito esforçadas, que vivem com simplicidade, e que conseguem isso: a mulher fica em casa cuidando da família de dentro, e o homem cuida do lado de fora, digamos assim. Mas sei que há muitos problemas e que nem todas podem fazer isso integralmente, cuidar do lar, como deveria ser. Por outro lado as pessoas se enchem de dívidas não somente com o que é essencial, mas também com o supérfluo. Hoje parece que não se consegue viver sem carro, celular de ultimo tipo, TV a cabo, etc...é o consumismo, como você bem colocou! Aumentam as despesas quando se poderia viver com menos. Sei que é complicado, e cada caso é um caso. Mas cada casal deve buscar com o máximo empenho fazer a divisão de papéis bem feita, pois isso facilita - e muito! - a vida da família. Claro, não é fácil pois o mundo de hoje dificulta muito mais a vida do cristão. Mas temos que tentar, e Deus vê o esforço de cada um.

    ResponderExcluir
  7. Andréa, algumas pessoas se endividam por que não sabem administrar as finanças mesmo. A conta é simples - Gastar menos do que se ganha e não é preciso uma planilha complexa pra ajustar o orçamento à realidade da família.
    Mas como nossa sociedade nos bombardeia a todo momento com uma necessidade urgente de consumir, acabamos comprometendo uma parcela dos recursos, que poderiam ser investidos. È incrível como a Publicidade influencia nossos comportamentos. Não basta ter 4 sapatos, é preciso ter 30 !! E o pior é gastar dinheiro com coisas que não usamos.
    Eu já fui muito consumista, mas depois que casei, tive que mudar.

    ResponderExcluir
  8. E o pior, Agatha, é que a gente termina usando o tal do cartão de crédito...aí, já viu, né? Muitos terminam se enrolando totalmente, as dívidas crescem e a felicidade almejada não chega. Claro, afinal de contas a felicidade não se compra! rsrs

    ResponderExcluir
  9. A melhor coisa é ter apenas um cartão. Eliminar aqueles cartões de lojas (Marisa, C&A, Hipercard) é essencial para a organização financeira.

    ResponderExcluir
  10. Pois é, isso é o melhor a fazer, já que fica difícil viver sem cartão hoje em dia!

    ResponderExcluir
  11. Oi Andrea! Fazia tempo que não visitava o seu blog porque... sou mamãe agora :) mas queria compartilhar o novo video do padre Paulo Ricardo aqui.

    Olha, amei o novo visual... parabéns pelo bom gosto e pelos artigos tão valiosos que você traduz!!!

    Um abraço para você e sua família!

    http://padrepauloricardo.org/audio/47-parresia-feminismo-o-maior-inimigo-das-mulheres/#disqus_thread

    Estou escutando... excelente!

    Julie Maria

    ResponderExcluir
  12. Obrigada, Julie! Glória a Deus!

    Abraço e Paz!

    ResponderExcluir

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.